Chuva dificulta colheita e moagem atinge 34,16 milhões de toneladas

Voltar
10/10/2013

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do País recuou 20,30% na segunda quinzena de setembro em relação aos primeiros 15 dias do mês, totalizando 34,16 milhões de toneladas.
 
Essa queda ocorreu devido ao excesso de chuvas que atingiu a região produtora, interrompendo a operacionalização da colheita. “As máquinas que realizam a colheita não conseguem adentrar aos canaviais com o solo muito úmido, o que comprometeu o ritmo de moagem”, explica o diretor-técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues.
 
O índice de precipitação pluviométrica em tradicionais regiões canavieiras atingiu níveis mais elevados na última quinzena de setembro. Em Piracicaba, por exemplo, o índice totalizou 27,20 milímetros na segunda metade do mês, ante 3,80 milímetros nos primeiros 15 dias, segundo estatísticas da Somar Meteorologia. Em Sertãozinho foram 83,00 milímetros.
 
O número de dias de moagem perdidos registrados pelas usinas da região Centro-Sul também aumentou consideravelmente: de 3,09 dias perdidos na primeira quinzena de setembro saltou para 5,51 dias na segunda metade deste mês.
 
Mesmo diante destas condições climáticas adversas, no acumulado desde o início da safra 2013/2014 até 1º de outubro a quantidade moída de cana-de-açúcar cresceu 15,49% quando comparada àquela verificada no mesmo período de 2012, totalizando 440,44 milhões de toneladas. Porém, este montante segue abaixo das 444,88 milhões de toneladas observadas em igual período da safra 2010/2011 – ocasião em que a região Centro-Sul processou 556,95 milhões de toneladas ao final daquela safra. 
 
Em relação à produtividade agrícola, esta permanece superior àquela apurada no último ano. Estatísticas do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) informam que o rendimento médio do canavial colhido em setembro alcançou 75,50 toneladas de cana-de-açúcar por hectare, alta de 4,10% comparativamente ao valor observado no mesmo mês do ano anterior. No acumulado desde o início da safra 2013/2014 até o final de setembro, o rendimento agrícola da área colhida atingiu 82,50 toneladas de cana por hectare, alta de quase 10% em relação a idêntico período de 2012.
 
Qualidade da matéria-prima
A concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de matéria-prima processada totalizou 150,32 kg nos últimos 15 dias de setembro, próximo aos 150,14 kg registrados na mesma quinzena de 2012.
 
Porém, no acumulado desde o início da safra 2013/2014 até 1º de outubro, o teor de ATR alcançou 133,08 kg por tonelada de cana-de-açúcar, frente a 133,70 kg apurados em idêntico período do último ano.
 
Segundo o diretor da UNICA, “o indicador de ATR obtido por meio das análises laboratoriais de amostras da cana indica que o clima observado na segunda metade de setembro já promoveu uma retração na concentração de açúcares na planta, a qual deve ser refletida nos dados de produção da primeira quinzena de outubro”. A queda do ATR produto na primeira quinzena de outubro deve ser significativa, acrescentou o executivo.
 
Esta redução do teor de açúcares na planta está em consonância com a nova projeção recentemente divulgada pela UNICA em 1º de outubro. Segundo esta estimativa, a concentração de ATR ao final da safra 2013/2014 será de 134,00 kg por tonelada, abaixo dos 136,70 kg projetados em abril e dos 135,57 kg registrados na safra 2012/2013.
 
Produção de açúcar e etanol
Nos últimos 15 dias de setembro, 46,85% da cana-de-açúcar processada destinaram-se à produção de açúcar, percentual inferior aos 48,56% apurados na mesma quinzena do ano anterior. No acumulado desde o início desta safra até 1º de outubro, esta proporção atingiu 45,14%.
 
Com isso, a quantidade produzida de açúcar somou 2,29 milhões de toneladas na segunda quinzena de setembro, 22,58% abaixo das 2,96 milhões de toneladas verificadas na primeira metade deste mês.
 
Já a produção quinzenal de etanol alcançou 1,60 bilhão de litros, crescimento de 11,20% relativamente aquela verificada no mesmo período de 2012 (1,44 bilhão de litros). No caso do etanol anidro, este aumento foi de 12,24%, com 711,49 milhões de litros produzidos. Em relação ao etanol hidratado, o volume fabricado foi de 885,61 milhões de litros.
 
No acumulado desde o início da safra 2013/2014 até 1º de outubro, a produção de açúcar cresceu 5,03% comparativamente a igual período do ano passado, totalizando 25,21 milhões de toneladas este ano contra 24,01 milhões de toneladas em 2012. A produção de etanol, por sua vez, somou 18,83 bilhões de litros - 8,07 bilhões de litros de etanol anidro e 10,76 bilhões de litros de etanol hidratado – aumento de 24,48% relativamente ao mesmo período da safra anterior.
 
Vendas de etanol
O volume de etanol comercializado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu 2,24 bilhões de litros em setembro, alta de 13,59% sobre o mesmo mês do ano anterior. Este crescimento foi impulsionado pelas vendas ao mercado doméstico, que somaram 1,92 bilhão de litros, frente a 1,49 bilhão de litros registrados em setembro de 2012. As exportações, por sua vez, diminuíram em 32,75% no comparativo com a safra anterior, totalizando 321,80 milhões de litros.
 
Deste volume destinado ao mercado interno, 1,14 bilhão de litros refere-se ao etanol hidratado, contra 959,03 milhões de litros observados em setembro do último ano.  Já o volume comercializado de etanol anidro alcançou 770,22 milhões de litros em setembro deste ano, representando um crescimento de 44,85% sobre o valor registrado em 2012.
 
No acumulado de abril até 1º de outubro, as vendas de etanol somaram 13,23 bilhões de litros (7,28 bilhões de litros de etanol hidratado e 5,95 bilhões de litros de etanol anidro), contra 10,72 bilhões comparativamente ao mesmo período da safra passada. Deste volume total comercializado em 2013, 11,27 bilhões de litros destinaram-se ao mercado doméstico e 1,96 bilhão de litros à exportação.
 
Para ver as tabelas da avaliação quinzenal da safra, posição em 1º de outubro, clique aqui.

Para ver o relatório completo, clique aqui.

Fonte: UNICA

Chuva dificulta colheita e moagem atinge 34,16 milhões de toneladas

10/10/2013

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do País recuou 20,30% na segunda quinzena de setembro em relação aos primeiros 15 dias do mês, totalizando 34,16 milhões de toneladas.
 
Essa queda ocorreu devido ao excesso de chuvas que atingiu a região produtora, interrompendo a operacionalização da colheita. “As máquinas que realizam a colheita não conseguem adentrar aos canaviais com o solo muito úmido, o que comprometeu o ritmo de moagem”, explica o diretor-técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues.
 
O índice de precipitação pluviométrica em tradicionais regiões canavieiras atingiu níveis mais elevados na última quinzena de setembro. Em Piracicaba, por exemplo, o índice totalizou 27,20 milímetros na segunda metade do mês, ante 3,80 milímetros nos primeiros 15 dias, segundo estatísticas da Somar Meteorologia. Em Sertãozinho foram 83,00 milímetros.
 
O número de dias de moagem perdidos registrados pelas usinas da região Centro-Sul também aumentou consideravelmente: de 3,09 dias perdidos na primeira quinzena de setembro saltou para 5,51 dias na segunda metade deste mês.
 
Mesmo diante destas condições climáticas adversas, no acumulado desde o início da safra 2013/2014 até 1º de outubro a quantidade moída de cana-de-açúcar cresceu 15,49% quando comparada àquela verificada no mesmo período de 2012, totalizando 440,44 milhões de toneladas. Porém, este montante segue abaixo das 444,88 milhões de toneladas observadas em igual período da safra 2010/2011 – ocasião em que a região Centro-Sul processou 556,95 milhões de toneladas ao final daquela safra. 
 
Em relação à produtividade agrícola, esta permanece superior àquela apurada no último ano. Estatísticas do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) informam que o rendimento médio do canavial colhido em setembro alcançou 75,50 toneladas de cana-de-açúcar por hectare, alta de 4,10% comparativamente ao valor observado no mesmo mês do ano anterior. No acumulado desde o início da safra 2013/2014 até o final de setembro, o rendimento agrícola da área colhida atingiu 82,50 toneladas de cana por hectare, alta de quase 10% em relação a idêntico período de 2012.
 
Qualidade da matéria-prima
A concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de matéria-prima processada totalizou 150,32 kg nos últimos 15 dias de setembro, próximo aos 150,14 kg registrados na mesma quinzena de 2012.
 
Porém, no acumulado desde o início da safra 2013/2014 até 1º de outubro, o teor de ATR alcançou 133,08 kg por tonelada de cana-de-açúcar, frente a 133,70 kg apurados em idêntico período do último ano.
 
Segundo o diretor da UNICA, “o indicador de ATR obtido por meio das análises laboratoriais de amostras da cana indica que o clima observado na segunda metade de setembro já promoveu uma retração na concentração de açúcares na planta, a qual deve ser refletida nos dados de produção da primeira quinzena de outubro”. A queda do ATR produto na primeira quinzena de outubro deve ser significativa, acrescentou o executivo.
 
Esta redução do teor de açúcares na planta está em consonância com a nova projeção recentemente divulgada pela UNICA em 1º de outubro. Segundo esta estimativa, a concentração de ATR ao final da safra 2013/2014 será de 134,00 kg por tonelada, abaixo dos 136,70 kg projetados em abril e dos 135,57 kg registrados na safra 2012/2013.
 
Produção de açúcar e etanol
Nos últimos 15 dias de setembro, 46,85% da cana-de-açúcar processada destinaram-se à produção de açúcar, percentual inferior aos 48,56% apurados na mesma quinzena do ano anterior. No acumulado desde o início desta safra até 1º de outubro, esta proporção atingiu 45,14%.
 
Com isso, a quantidade produzida de açúcar somou 2,29 milhões de toneladas na segunda quinzena de setembro, 22,58% abaixo das 2,96 milhões de toneladas verificadas na primeira metade deste mês.
 
Já a produção quinzenal de etanol alcançou 1,60 bilhão de litros, crescimento de 11,20% relativamente aquela verificada no mesmo período de 2012 (1,44 bilhão de litros). No caso do etanol anidro, este aumento foi de 12,24%, com 711,49 milhões de litros produzidos. Em relação ao etanol hidratado, o volume fabricado foi de 885,61 milhões de litros.
 
No acumulado desde o início da safra 2013/2014 até 1º de outubro, a produção de açúcar cresceu 5,03% comparativamente a igual período do ano passado, totalizando 25,21 milhões de toneladas este ano contra 24,01 milhões de toneladas em 2012. A produção de etanol, por sua vez, somou 18,83 bilhões de litros - 8,07 bilhões de litros de etanol anidro e 10,76 bilhões de litros de etanol hidratado – aumento de 24,48% relativamente ao mesmo período da safra anterior.
 
Vendas de etanol
O volume de etanol comercializado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu 2,24 bilhões de litros em setembro, alta de 13,59% sobre o mesmo mês do ano anterior. Este crescimento foi impulsionado pelas vendas ao mercado doméstico, que somaram 1,92 bilhão de litros, frente a 1,49 bilhão de litros registrados em setembro de 2012. As exportações, por sua vez, diminuíram em 32,75% no comparativo com a safra anterior, totalizando 321,80 milhões de litros.
 
Deste volume destinado ao mercado interno, 1,14 bilhão de litros refere-se ao etanol hidratado, contra 959,03 milhões de litros observados em setembro do último ano.  Já o volume comercializado de etanol anidro alcançou 770,22 milhões de litros em setembro deste ano, representando um crescimento de 44,85% sobre o valor registrado em 2012.
 
No acumulado de abril até 1º de outubro, as vendas de etanol somaram 13,23 bilhões de litros (7,28 bilhões de litros de etanol hidratado e 5,95 bilhões de litros de etanol anidro), contra 10,72 bilhões comparativamente ao mesmo período da safra passada. Deste volume total comercializado em 2013, 11,27 bilhões de litros destinaram-se ao mercado doméstico e 1,96 bilhão de litros à exportação.
 
Para ver as tabelas da avaliação quinzenal da safra, posição em 1º de outubro, clique aqui.

Para ver o relatório completo, clique aqui.